LUANDINO VIEIRA

JOSÉ LUANDINO VIEIRA, mais conhecido como Luandino Vieira, nasceu em 4 de maio de 1935, na Lagoa do Furadouro, em Ourém, Portugal.

O escritor é cidadão angolano por sua participação no movimento de libertação nacional e contribuição para o nascimento da República Popular de Angola. Passou a infância e a juventude em Luanda, onde fez os estudos primários e secundários.

Em 1959, foi preso pela PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), a polícia portuguesa, por sua militância política (Processo dos 50). De novo, foi preso em 1961) e condenado a 14 anos de prisão e medidas de segurança. Em 1964, é transferido para o Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, onde passou 8 anos.

Em 1972, foi libertado em regime de residência vigiada em Lisboa. Iniciou então a publicação da sua obra, sendo que muitos dos livros foram escritos na prisão, dentre eles Nós, os do Makusulu, escrito no campo de concentração do Tarrafal.

Recebeu em 1965, enquanto esteve preso, o Grande Prémio de Novela, pela sua obra Luuanda, dado pela Sociedade Portuguesa de Escritores. A censura portuguesa proibiu qualquer referência ao prêmio e a Sociedade foi extinta naquele mesmo ano.

Regressou a Angola em 1975, após a Independência do país, agora República Popular de Angola.

Sua atuação foi conjuntamente política e cultural. No período de 1975-1979, foi Diretor do Departamento de Orientação Revolucionária do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola). Foi responsável pelo Instituto Angolano de Cinema (1979-1984); é cofundador da União dos Escritores Angolanos, de que foi secretário-geral (1975-1980 e 1985-1992); foi secretário-geral adjunto da Associação dos Escritores Afroasiáticos (1979-1984). É membro da Academia Angolana de Letras.

Atualmente, vive em Portugal, para onde retornou em 1992.

OBRA DA KAPULANA

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • 1957 – A cidade e a infância. (Contos)
  • 1961 – A vida verdadeira de Domingos Xavier. (Novela)
  • 1961 – Duas histórias de pequenos burgueses. (Contos)
  • 1963– Luuanda. (Contos)
  • 1968 – Vidas novas. (Contos)
  • 1974 – Velhas histórias. (Contos)
  • 1974 – Duas histórias. (Contos)
  • 1974 – No antigamente, na vida. (Contos)
  • 1974 – Nós, os do Makulusu. (Romance)
  • 1978 – Macandumba. (Contos)
  • 1979 – João Vêncio. Os seus amores. (Novela)
  • 1981 – Lourentinho, Dona Antónia de Sousa Neto & eu. (Contos)
  • 1986 – História da baciazinha de Quitaba. (Conto)
  • 1998 – Kapapa: pássaros e peixes. (Infantojuvenil)
  • 2003 – Nosso Musseque. (Romance)
  • 2006 – A guerra dos fazedores de chuva com os caçadores de nuvens. Guerra para crianças. (Infantojuvenil)
  • 2006 – O livro dos rios (Vol. I da trilogia De rios velhos e guerrilheiros). (Romance)
  • 2012 – O livro dos guerrilheiros (Vol. II da trilogia De rios velhos e guerrilheiros). (Romance)
  • 2015 – Papéis da prisão. (Memórias)

PRÊMIOS

  • 1965 – Grande Prémio de Novelística da Sociedade Portuguesa de Escritores (Prémio Camilo Castelo Branco).
  • 1961 – Prémio Sociedade Cultural de Angola.
  • 1963 – Casa dos Estudantes do Império – Lisboa, 1963.
  • 1963 – Prémio Mota Veiga.
  • 1963 – Associação de Naturais de Angola.
  • 2006 – Prémio Camões. (O autor recusou a honra, alegando “motivos íntimos e pessoais”. Posteriormente, em uma entrevista, esclareceu que se considera um “escritor morto”, e que pensa que o prêmio deveria ser concedido a alguém que continuasse a produzir.)