Batique – Ilustrações de Americo Mavale em “O rei mocho”, de Ungulani Ba Ka Khosa

O batique é uma arte com mais ou menos dois mil anos de existência, originária da Ilha de Java, uma das maiores ilhas da Indonésia, país entre a Ásia e a Oceania.

Várias técnicas são utilizadas para se produzir um batique. É um processo bastante trabalhoso com o uso de tecido, tintas, cera e água. Com a cera, são cobertos os desenhos feitos sobre o tecido. Depois, o tecido é tingido e, na sequência, é escorrido e colocado para secar. Os desenhos aparecem, então, onde havia cera. No restante do tecido ficam as cores. São feitos sucessivos tingimentos para a criação de estampas multicoloridas e com figuras variadas. A cera é aplicada nos dois lados do tecido e, quando ela se parte, é criado o efeito craquelê.

Cada trabalho de batique é único e feito à mão. No tempo das colonizações, a arte do batique foi transportada para outros países pelos holandeses, chegando à África. Moçambique, país situado no sudeste da África, tem o batique como uma das suas mais famosas formas de arte. Lá foram desenvolvidas algumas variações das técnicas originais utilizando-se molduras onde são esticados os panos. O tecido da moldura, já estampada e com cera, é fervido em água para a remoção da cera e o desenho aparece. Por fim, o tecido é colocado para secar.

O batique craquelê é o mais famoso de Moçambique, com reconhecimento internacional no mundo das artes. As peças em batique de Moçambique não só reproduzem objetos e personagens, como também expressam cenas da cultura e da história moçambicana.

Citar como:

KHOSA, Ungulani Ba Ka. O rei mocho. Ilustrações de Americo Mavale. São Paulo: Kapulana, 2016. (Série Contos de Moçambique – v. 1)