Publicado em

LANÇAMENTO! A vida verdadeira de Domingos Xavier, de Luandino Vieira

A Kapulana lançará no Brasil, no primeiro semestre de 2024, A vida verdadeira de Domingos Xavier, do angolano JOSÉ LUANDINO VIEIRA. 

A vida verdadeira de Domingos Xavier é a história de Domingos, Maria e muitos outros angolanos que sofreram nas mãos do invasor e opressor colonialista português. Luandino Vieira nos mostra, com grande sensibilidade e habilidade, o absurdo do abuso, da agressão e da brutalidade do dominador sobre um povo invadido.

Domingos Xavier é sequestrado em sua própria casa, em sua própria terra, e torturado pelas forças portuguesas, mas não se rende. Enquanto isso, sua mulher Maria, com o filho pequeno Bastião, o procura incessantemente, acreditando na justiça humana.

A luta pela independência de Angola é o cenário da história de Domingos e Maria, representantes de um povo oprimido que deseja viver plenamente sua existência, como seres de uma nação livre cultural e politicamente, berço de sua história e identidade.

A vida verdadeira de Domingos Xavier deu origem ao filme Sambizanga, realizado pela cineasta francesa Sarah Moldoror, falecida em 13 de abril de 2020.

É o segundo livro de Luandino Vieira que a Kapulana publica no Brasil. O primeiro foi Nós, os do Makulusu.

A edição brasileira conta com capa de Mariana Fujisawa e projeto gráfico de Daniela Miwa Taira.

-.-.-.-.-

TRECHOS de A vida verdadeira de Domingos Xavier

O preso era alto e magro, muito magro mesmo. E embora a cara estivesse inchada, tornando-lhe quase irreconhecível, toda gente via era ainda novo. Ao descer da carroceria, caiu de frente no areal, e as mães chegando mais os filhos, murmuraram só:

— Aiuê!…

-.-.-.-.-

A tarde caía quieta, o vento xuaxalhava nas folhas das mulembas e mandioqueiras. Meninos brincavam na terra vermelha suas brincadeiras, os mais-velhos olhavam só, mães e filhas lavando ou engomando, papás nas conversas, encostados nas paredes, filosofando da vida. E essa calma de fim de tarde de sábado entrou mesmo em Maria, que foi falando para miúdo Bastião, antes de avistar os miúdos brincando, na frente dos muros da prisão.

-.-.-.-.-

Deslizando como as águas do rio, estas imagens carregam os pensamentos de Domingos Xavier, nascendo no cacimbo do cérebro cansado, dorido de botas de cipaio, quando o luar estendeu em cima do corpo caído na cela o seu lençol macio. A luz branca entrava no postigo defendido pela rede de aço, e o tratorista, mal erguendo a cabeça, pôde ver o céu azul, sem nuvens, por detrás das pálpebras inchadas e cheias de areia. Era o céu azul e a lua da sua terra que olhavam…

-.-.-.-.-

Maria ouvia com atenção as palavras do cipaio enquanto tentava adormecer miúdo Bastião no colo. Os olhos abertos, quietos, fixavam longe as mangueiras da estação. O que o cipaio estava contar já não doía, já não sentia, na sua cabeça só as palavras do seu homem saltavam, repetidas como eco, ampliadas no coração: “não digo, não digo”.

-.-.-.-.-

SOBRE A OBRA:

PEPETELA (Angola)

 “A vida verdadeira de Domingos Xavier, de Luandino Vieira, é o primeiro romance retratando a luta de libertação de Angola. É, portanto, um livro seminal na literatura angolana. Já não seria pouca coisa. […] O romance é a consagração do que apreendemos nos contos. Claro que não poderia ser publicado por nenhuma gráfica de Angola ou Portugal, e foi passando em cópias sucessivas e clandestinas por um grupo interessado de angolanos, como um estandarte que deveria ser empunhado na luta inevitável pela independência nacional. Inspirou para a acção os que o puderam ler e encorajou alguns que tinham a aspiração de escrever sobre o mesmo tema.
Como diria alguma personagem de Jorge Amado: Saravá, Luandino.”

RITA CHAVES (Brasil)

“Assim, a estória de um herói popular combina-se exemplarmente com o percurso de sua companheira. Sem recorrer aos jargões, ele nos coloca diante de uma obra aberta à  perspectiva feminina, característica muito bem trabalhada em Sambizanga por Sarah Maldoror, a excelente diretora da adaptação para o cinema.
Só podemos celebrar a reedição dessa obra que salta no tempo e faz perdurar o impacto que nos levou, a tantos de nós, a ‘descobrir’ Angola naqueles complicados anos que envolveram as lutas de libertação.”

CARMEN TINDÓ SECCO (Brasil)

A vida verdadeira de Domingos Xavier, de Luandino Vieira (1961) é um clássico da literatura angolana. Essa obra me atrai por seu questionamento aos regimes opressores e pela intertextualidade com a poesia de Agostinho Neto e o cinema de Sarah Maldoror, particularmente com o filme Sambizanga (1972), adaptação do referido romance. Tanto na narrativa cinematográfica, como na romanesca, o protagonista Domingos Xavier, revolucionário preso pela polícia portuguesa, é, arbitrariamente, levado para o calabouço. Como no poema “Mussunda Amigo”, de Agostinho Neto, dá sua vida pela liberdade de Angola. Mussunda é o alfaiate que politiza a consciência dos demais.

O autor: JOSÉ  LUANDINO VIEIRA

https://www.kapulana.com.br/jose-luandino-vieira/

 

JOSÉ LUANDINO VIEIRA é cidadão angolano por sua militância pela independência de Angola. Nasceu em Portugal e fez os estudos primários e secundários em Luanda. 

Como membro do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), participou da luta armada de resistência contra Portugal, o que fez com que fosse preso várias vezes pela PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), a polícia portuguesa, e condenado a 14 anos de prisão.

Em 1964, foi transferido para o Campo de Concentração do Tarrafal, na ilha de Santiago, arquipélago de Cabo Verde, onde passou 8 anos. Lá escreveu muitos de seus livros. Em 1972, foi libertado e regressou a Angola em 1975. Atualmente, vive em Portugal, para onde retornou em 1992.

*-*-*-*-*

O livro: A vida verdadeira de Domingos Xavier

https://www.kapulana.com.br/produto/a-vida-verdadeira-de-domingos-xavier/

Sobre a Editora Kapulana

Editora voltada para a publicação e divulgação de autores brasileiros e estrangeiros com foco na literatura africana com seleção de títulos marginais, ou seja, de pouca visibilidade na mídia. O catálogo da editora Kapulana preza pela diversidade e apresenta obras voltadas para literatura infantil, jovens e adultos, assim como memórias, biografias e obras científicas. Com o compromisso de ampliar e apresentar diversas linguagens literárias ao público brasileiro, os escritores, ilustradores e colaboradores da Kapulana são de países como Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Nigéria, Quênia e Zimbábue.

Acompanhe as novidades nas nossas redes sociais:

[07 de fevereiro de 2024.]